Criada em 13/03/2020 às 11h12 | Artigo

Cadeia produtiva da carne gera mais de 315 mil empregos e faz circular R$ 7 bilhões por ano em todos segmentos do comércio

Os dados foram obtidos por meio de cruzamentos de informações e consideram a movimentação de trabalhadores e geração de renda do início da produção, no pasto da fazenda, passando pelos frigoríficos, até a carne chegar às prateleiras ou gôndolas de supermercados e açougues, na cidade.

Imagem
No Tocantins são, no mínimo, 315 mil pessoas que trabalham na pecuária; setor movimenta R$ 7.619.130,080,00 não só no campo, mas em diversos segmentos também da cidade (foto: SeagroTO)

Cruzamento de dados de balanços de órgãos do governo do Estado, como as secretarias da Fazenda (Sefaz), Agricultura (SeAgro), Defesa Agropecuária (Adapec), além de estatísticas do IBGE (Instituto Brasileiro e Geografia e Estatística) e outras entidades como o Sindicato das Indústrias Frigoríficas de Carnes Bovinas, Suínas, Aves, Peixes e Derivados do Estado do Tocantins (Sindicarnes-TO), apontam que a cadeia da carne tocantinense gera mais de 315 mil empregos e faz circular mais de R$ 7 bilhões por ano não só na pecuária, mas todos os segmentos produtivos, desde as lojas agropecuárias até postos de combustíveis, hotéis, restaurantes e o comércio em geral. 

Os dados acima consideram a movimentação de trabalhadores e geração de renda do início da cadeia produtiva, no pasto, passando pelos frigoríficos, até a carne chegar às prateleiras ou gôndolas de supermercados e açougues e demais empreendimentos do ramo.

EMPREGOS GRAÇAS À CADEIA DA CARNE

Numa simples soma é possível constatar, conforme relatórios no portal da Adapec, que há 56.500 pecuaristas registrados no Estado. Esta é uma informação oficial do órgão. Caso cada um desses produtores mantivesse ao menos um funcionário, o que não é a realidade, já seriam 56.500 empregos. Porém, o número, obviamente, é maior. Isso sem contar os empregos gerados em lojas de ração, insumos e produtos do campo.

CLIQUE NOS LINKS ABAIXO E SAIBA MAIS SOBRE O TEMA 

Cadeia produtiva da carne gera mais de 315 mil empregos e faz circular R$ 7 bilhões por ano em todos segmentos do comércio

Reajuste do ICMS dos frigoríficos vai estourar no produtor e no consumidor, diz presidente do Sindicato Rural de Araguaína

AGROVERDADES: CLIQUE AQUI E ASSISTA O FÓRUM DO AGRONEGÓCIO DO TOCANTINS, EM ARAGUAÍNA

Aumento da alíquota do ICMS para frigoríficos transformará carne do Tocantins na mais cara do Brasil, aponta especialista

Cadeia produtiva da carne gera mais de 315 mil empregos e faz circular R$ 7 bilhões por ano em todos segmentos do comércio

Pecuaristas pedem adiamento por 150 dias do início da vigência do reajuste de alíquota do ICMS dos frigoríficos do Tocantins

Reajuste do ICMS para frigoríficos do Estado do Tocantins vai impactar o produtor, afirma pecuarista da região de Araguaína

“Cadeia da carne não se nega a pagar imposto, mas governo não pode virar monstro devorador de indústria”, afirma diretor do SRA

Revogação de benefícios a frigoríficos gera “alto custo” ao setor, impacta no abastecimento e formação de preço, diz juiz

Sem acordo: Governo propõe alíquota de 4,5%, mas frigoríficos querem 1,8%; comissão será criada para estudar o tema 




Um dado que ratifica a soma acima: no recente Censo Agropecuário de 2017, o IBGE revelou que a ocupação de trabalho no campo tocantinense seria de 204.430 mil pessoas. O instituto, entretanto, contabiliza apenas as pessoas que ganham o sustento de suas famílias na zona rural.

OS FRIGORÍFICOS

Focos da mais recente polêmica do ramo, que é o reajuste da alíquota do ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) por parte do governo do Estado, somente os frigoríficos do Estado geram 6 mil empregos diretos e 30 mil indiretos. Isso porque trabalham apenas com 44% de sua capacidade por, entre outros motivos, escassez do gado. Caso funcionasse a pleno vapor, seriam 12 mil empregos diretos e aproximadamente 50 mil indiretos, o que aqueceria ainda mais a economia tocantinense.





Porém, o aumento de 1% para 4% no ICMS que vale a partir do dia 20 deste mês poderá resultar em demissões e até fechamento de plantas frigoríficas do Tocantins. Esse foi o tema central do 1º Fórum do Agronegócio realizado na quarta-feira ,dia 11, em Araguaína, promovido pelo Sindicato Rural da cidade, Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) e UFT (Universidade Federal do Tocantins), com participação de pecuaristas da região e representantes de entidades como a CNA (Confederação Nacional da Agricultura), Fieto (Federação das Indústrias do Estado do Tocantins), Faet (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Tocantins) e Sindicarnes.

Há atualmente a confirmação do fechamento do frigorífico Masterboi, em Nova Olinda, cidade vizinha a Araguaína. A direção da empresa já anunciou: caso o governo não mude de ideia, o empreendimento encerrará as atividades no dia 20 de março, quando passa a valer a nova alíquota.

AINDA SOBRE EMPREGOS NO CAMPO

Vamos a mais números. Como abordamos acima, somente os frigoríficos geram hoje 35 mil empregos diretos e indiretos. No campo, na soma mais simplória possível, seriam 280 mil (isso se cada um dos 56.500 pecuaristas mantivessem um funcionário na fazenda). A soma desses resultados dá 315 mil pessoas que trabalham graças ao boi, a produção da carne. Isso representa 22,7% da população tocantinense, que é, conforme o IBGE, 1.383.445, conforme o último censo.

DINHEIRO NO COMÉRCIO EM GERAL

Outro dado relevante é que a pecuária faz circular o dinheiro. Não só no setor, mas praticamente em todos os segmentos comerciais. A análise é simples: Imaginem: Vamos pensar novamente a circulação do dinheiro desde as lojas de ração, na cidade, para o pasto, no campo. Incluiremos nessa analogia toda a movimentação necessária para a carne chegar, primeiramente, aos frigoríficos para depois abastecer o comércio varejista, antes da mesa de cada um de nós.

Os gastos vão desde o combustível para o pecuarista ir buscar o produto na loja agropecuária, que faz a venda. E, com o pagamento do pecuarista, o estabelecimento mantém os funcionários que, ao ganhar seus salários, investem no comércio local, desde o pãozinho na padaria, nas escolas, loja de roupas, farmácia, supermercado, etc... Sem contar a necessidade dos funcionários da fazenda e dos próprios pecuaristas que precisam se deslocar para eventuais compromissos ligados à terra, como compra de outros produtos, negociações bancárias ou burocráticas em órgãos do governo. Daí, incluímos nesta conta despesas (sem contar, novamente, os combustíveis, hotéis, bares, restaurantes, lanchonetes e muito mais.

E para a carne chegar no frigorífico são necessários mais gastos: do combustível do caminhão que leva o gado e de trabalhadores, que no deslocamento têm despesas com alimentação e hospedagem. E dos frigoríficos para os mercados e açougues são outros gastos.

E isso tudo é possível ser contabilizado minimamente. Como? Também com contas simples. Vamos usar como exemplo o registro de abates dos frigoríficos do Tocantins em 2019.
Foram abatidos 934.718 animais. Cada um custa, em média, R$ 3.610,00. Ao multiplicarmos esses números chegamos ao valor movimentado de R$ 2.953.708.880 somente com o gado.

Outra conta. Na média, por ano, o gasto do produtor por ano para criar o gado e vendê-lo ao frigorífico é de R$ 550,00. Multiplicando este número por 8.482.584, que é o número do rebanho bovino tocantinense de 2019, chegamos a um outro valor: R$ 4.665.421.200,00. Esse é o tanto de dinheiro que circula no Estado apenas para se criar o boi no pasto.

A soma de R$ 2,9 bilhões (conta mais acima), que se refere à negociação entre produtor, frigorífico e comércio, com os R$ 4,6 bilhões, que é o custo do boi, chegamos ao número de R$ 7.619.130,080,00. Ou seja, este é o valor da movimentação apenas com o gado no Tocantins.

A quantidade de números acima denota um fato: há necessidade de maior diálogo entre poder público e a cadeia produtiva da carne tocantinense, que, como todos os outros segmentos, geram emprego, renda, fazem circular o dinheiro e mantêm viva a economia tocantinense.

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2020 Norte Agropecuário