Criada em 07/02/2018 às 03h20 | Pecuária

Gado que seguiu em navio do Brasil para Turquia sofreu “maus tratos e violação explícita da dignidade animal”, aponta laudo

Condições de higiene eram precárias. “O odor amoniacal nesses andares era extremamente intenso tornando difícil a respiração,” diz um trecho do relatório. Segundo a apuração da revista, ao todo são cerca de 11 pessoas cuidando dos animais na embarcação durante a viagem.

Imagem
“Os animais que falecem durante o percurso são levados à um espaço do navio conhecido como Graxaria e inseridos em um dispositivo mecânico responsável por triturar o animal completamente. Os pedaços de carcaça são descartados no mar"

“Maus tratos aos animais e violação explícita da dignidade animal”. Essas foram algumas constatações de laudo de inspeção técnica em navio que ficou atracado no Porto de Santos e partiu no final de semana, após autorização judicial. Na embarcação estavam cerca de 27 mil bovinos vivos vendidos pelo grupo Minerva à Turquia. O documento assinado pela veterinária Magda Regina foi obtido pela Revista Globo Rural.

CLIQUE AQUI E LEIA A REPORTAGEM DA GLOBO RURAL NA ÍNTEGRA 

“De acordo com o relato da profissional, as condições de higiene eram precárias, principalmente para os animais ingressos na embarcação desde o dia 26 de janeiro. “A imensa quantidade de urina e excrementos produzida e acumulada nesse período, propiciou impressionante deposição no assoalho de uma camada de dejetos lamacenta. O odor amoniacal nesses andares era extremamente intenso tornando difícil a respiração,” diz um trecho do relatório”, informa Globo Rural.

A Revista Globo Rural relatou ainda: “Tais condições se dão devido a impossibilidade do processo de lavagem. Informações do laudo apontam que o processo de lavagem dos pisos ocorre a cada cinco dias, mas apenas após a partida do navio. Um sistema que faz a dessalinização da água do mar é acionado durante a viagem. Portanto, enquanto o navio está atracado, a limpeza não é realizada. Os dejetos acumulados pelo processo de limpeza durante a viagem têm seu conteúdo descartado, sem qualquer tratamento, ao mar, aponta a inspeção da veterinária”.

Segundo a apuração da revista, ao todo são cerca de 11 pessoas cuidando dos animais na embarcação durante a viagem. O trajeto do Brasil à Turquia dura aproximadamente 15 dias. Três veterinário embarcados são responsáveis pela assistência médica e inspeção dos animais. Ou seja, para cada 9.000 animais há um veterinário. Além disso, oito vaqueiros que trabalham em turnos, verificando as condições de integridade dos animais.

“Quanto à alimentação, Magda relata que há o fornecimento regular de comida e, quando em curso, o sistema de dessalinização da embarcação tem condições de produzir água em quantidade satisfatória. Mas, muitos dos comedouros e bebedouros disponíveis encontravam-se com detritos de fezes e clara presença de ferrugem”, informou a revista.

Ainda conforme a Globo Rural, nas baias cada animal possui dimensões menores que 1m² por indivíduo. “Definitivamente, o transporte marítimo de carga viva não contempla a possibilidade de saída dos animais de suas baias de confinamento até seu destino de chegada, impedindo assim qualquer tipo de descanso ou passeio para o animal. No interior de seu recinto de confinamento (baias) e unicamente possível ao animal prostrar-se ao chão. Tal movimento certamente diminui espaço na área dos animais vizinhos presos no mesmo brete e sujeita assim o animal a contato íntimo com seus dejetos e os dejetos de outros animais.”

DESCARTE NO MAR

A revista informou ainda que “os animais que falecem durante o percurso são levados à um espaço do navio conhecido como Graxaria e inseridos em um dispositivo mecânico responsável por triturar o animal completamente. Os pedaços de carcaça são descartados no mar durante o trajeto”.

VEJA TAMBÉM 

Principais entidades do agronegócio criticam suspensão da exportação de gado vivo à Turquia 

Fonesa vê atentado aos animais e considera “absurda e incoerente” decisão de juiz federal

Para ABEG, decisão foi tomada com “forte conteúdo emocional” e com “profundo desconhecimento” 

Decisão é “ataque às regras de livre mercado que permitem à pecuária comercializar sua produção”, diz Angus

SRB: “Proibição atribui ao Judiciário indesejado selo de autoritarismo, indo contra luta por um agronegócio moderno"

ABCZ cobra prudência e respeito ao criticar embargo judicial da exportação de gado vivo do Brasil à Turquia

Juiz federal atende pedido de ONG de proteção animal e suspende exportações de gado vivo do Brasil

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2018 Norte Agropecuário