Criada em 08/01/2019 às 21h52 | Pesquisa

Melhoramento genético: Embrapa coordena missão à Índia com outras instituições para cooperação técnica sobre bubalinos

A viagem terá duração de duas semanas e prevê reuniões com o ministério da agricultura daquele país, além de outras representações governamentais e de pesquisa ligadas ao setor agropecuário.

Imagem
A aquisição de sêmen de búfalos indianos é uma das metas do tratado de cooperação técnica (foto: Ronaldo Rosa\Embrapa)

Representantes e especialistas em pecuária bubalina, sob liderança da Embrapa Amazônia Oriental, iniciam nesta terça-feira (8), em Nova Delhi, capital da Índia, missão diplomática para fins de tratados de cooperação técnica para o manejo e melhoramento da pecuária bubalina no estado do Pará. A missão é coordenada pelo pesquisador José Ribamar Marques e pretende formalizar o intercâmbio de tecnologias e permuta de sêmen entre os países.

O grupo é formado por Embrapa, Secretaria de Estado do Desenvolvimento, Aquicultura e Pecuária (Sedap), e setor produtivo, representado pela Federação de Agricultura do Pará (Faepa) e uma consultoria privada. A viagem terá duração de duas semanas e prevê reuniões com o ministério da agricultura daquele país, além de outras representações governamentais e de pesquisa ligadas ao setor agropecuário.

De acordo com o pesquisador Ribamar Marques, a missão vinha sendo construída entre Embrapa, Governo do Estado do Pará e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) desde o ano passado. Ele lembra que o momento é propício, pois se dá na sequência das comemorações dos 70 anos de relações diplomáticas entre Brasil e Índia, marcados em 2018.

A missão tem agenda cheia e começa nesta terça-feira, com reunião com o embaixador do Brasil na Índia, seguida de encontros com representantes dos ministérios e secretarias ligadas ao agronegócio daquele país. O grupo se reúne ainda, nos próximos dias, com Conselho Indiano de Pesquisa Agrícola (Icar). Visitas a fazendas criadoras de búfalos também integram a programação da comitiva.

No Pará, estado que possui o maior rebanho bubalino do país, a Embrapa coordena o Programa de Melhoramento Genético de Búfalos com Inovação para o Estado do Pará (Promebull). Entre as diretrizes do programa estão as boas práticas de manejo animal, manejo alimentar e nutricional, manejo sanitário e melhoramento genético. Para o pesquisador da Embrapa, o intercâmbio pode propiciar o um salto de qualidade nas pesquisas e no melhoramento genético da pecuária bubalina paraense, pois visa entre outras ações, a importação de sêmen de bubalinos indianos, para a garantia de material genético superior nas ações do projeto. “Após a seleção de animais de qualidade superior nos rebanhos paraenses, serão utilizadas biotécnicas de inseminação artificial em tempo fixo (IAFT) e fertilização in vitro (FIV) para garantir uma linhagem de animais melhorados geneticamente”, explicou Marques. Ele lembra que ainda que os primeiros búfalos domésticos que chegaram ao país vieram da Índia e tiveram como porta de entrada o arquipélago do Marajó, onde se concentram as pesquisas e o maior rebanho do Pará.

SOBRE O PROMEBULL

O Programa de Melhoramento Genético de Búfalos com Inovação para o Estado do Pará (Promebull) é realizado em parceria com a Federação da Agricultura e Pecuária do Pará (Faepa), e Secretaria de Estado do Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap) tendo como meta a melhoria de índices econômicos de emprego e a renda para a pecuária bubalina leiteira para a agricultura familiar, por meio do melhoramento genético de boas práticas de manejo, alimentação e sanidade. (Da Embrapa Amazônia Oriental)

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2019 Norte Agropecuário