Criada em 30/11/2018 às 07h24 | Política brasileira

Futura ministra da Agricultura destaca potencial, mas cobra gestores de unidades descentralizadas da Embrapa pelo país

“Queremos ideias novas. Não podemos mais admitir a existência de um país que produz e outro que não produz. Nós temos que ter um Brasil que produz, mesmo com dificuldades”, destacou Tereza Cristina durante reunião com gestores da estatal em Brasília.

Imagem
Tereza Cristina ao lado de Sebastião Barbosa: “Ninguém vai fazer milagres, mas se vocês puserem suas cabeças para funcionar poderão nos trazer projetos de agropecuária interessantes para todo o Brasil" (foto: Jorge Duarte\Embrapa)

A futura ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, anunciou que será prioridade do novo governo levar projetos para o Nordeste que contribuam para a geração de renda e cidadania para a população. “E não tem instituição melhor do que a Embrapa para nos ajudar a pensar em tecnologias e projetos que poderão contribuir para esse desafio que nos foi posto pelo novo presidente da República para a nossa pasta”, destacou Tereza Cristina durante sua visita à reunião de gestores da Embrapa, no dia 27/11.

A futura ministra, que atualmente é presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), aproveitou a presença dos chefes-gerais das 42 Unidades Descentralizadas da Embrapa em Brasília para dizer que contará com os pesquisadores para desenvolver projetos e ações que tragam benefícios para toda a sociedade brasileira, especialmente, para a agricultura e pecuária.

CLIQUE AQUI E LEIA O QUE FOI PUBLICADO SOBRE A DEFINIÇÃO DA PASTA DA AGRICULTURA

Ainda com relação ao Nordeste, disse que a Embrapa pode ajudar muito a “fazermos coisas produtivas e contribuirmos para que as pessoas tenham mais renda e dignidade. Eu sei que há um custo, mas vamos começar com soluções mais simples, em vez de grandes projetos, e para isso é que eu preciso muito das cabeças de vocês”, enfatizou.

Tereza Cristina destacou que as Unidades Descentralizadas terão uma responsabilidade grande nesta gestão e que serão cobradas por isso. “Queremos ideias novas. Não podemos mais admitir a existência de um país que produz e outro que não produz. Nós temos que ter um Brasil que produz, mesmo com dificuldades”, destacou, ainda se referindo ao desafio de propor soluções e projetos para a região Nordeste.

Ao se despedir, enfatizou que será uma parceira importante para a Embrapa e que fará o que tiver ao seu alcance para apoiar a Empresa nesta nova gestão. “Ninguém vai fazer milagres, mas se vocês puserem suas cabeças para funcionar poderão nos trazer projetos de agropecuária interessantes não só para o Nordeste, mas para todo o Brasil”. (Da Embrapa)

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2018 Norte Agropecuário