Criada em 13/12/2017 às 22h22 | Política brasileira

De olho na reeleição no Senado, Blairo Maggi confirma que deixará o Ministério da Agricultura no mês de abril

Em cerimônia no Palácio do Planalto, ministro também se manifestou sobre a operação Carne Fraca: “Tenho que admitir que foi bom que tenha acontecido a Carne Fraca. Foi bom porque passamos por ela".

Imagem
Michel Temer e Blairo Maggi conversam durante cerimônia no Palácio do Planalto nessa terça-feira (foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse que sairá do governo apenas na data da desincompatibilização para as eleições de 2018, em abril. Ele descartou a possibilidade de concorrer ao governo de Mato Grosso, mas disse que pode tentar o Senado. “Eu vou sair na data da desincompatibilização, 4 ou 6 de abril é meu último dia. O governo (de Mato Grosso) eu já descartei totalmente; se for disputar, vou disputar uma vaga no Senado, só isso.” As informações são da Gazeta do Povo.

Escolhido para assumir o Ministério da Agricultura em maio de 2016, o senador Blairo Maggi, conhecido como “rei da soja”, já foi governador de Mato Grosso por duas gestões. Recém-filiado ao PP para poder assumir o cargo, ele nasceu em 1956, em Torres (RS), mas foi no estado do Centro-Oeste que ficou conhecido nacional e internacionalmente.

Formado em agronomia na Universidade Federal do Paraná, ele decidiu seguir os passos do pai, pequeno agricultor, investindo no cultivo da soja em áreas inexploradas, o que o levou a Mato Grosso. Atualmente é um dos proprietários do grupo Amaggi, um dos principais exportadores de soja do país.

CARNE FRACA

Blairo Maggi afirmou que a Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal em março deste ano e que prejudicou fortemente as exportações brasileiras de carnes, com o fechamento momentâneo de vários mercados, foi positiva, pois foi superada.

"Passado esse tempo, tenho que admitir que foi bom que tenha acontecido a Carne Fraca. Foi bom porque passamos por ela", disse, durante cerimônia de lançamento do Plano Agro+ Integridade, no Palácio do Planalto.

LEI KANDIR

Blairo Maggi se posicionou contra a PEC 37/2007 durante evento de lançamento da Embrapa Territorial, ocorrido nesta segunda-feira em Campinas. A PEC prevê a cobrança de ICMS sobre produtos primários destinados à exportação. Até agora, estes produtos estão isentos de cobrança de tributos em virtude da Lei Kandir, criada em 1996 para estimular as exportações.

O ministro argumenta que está se fazendo uma confusão entre a exportação de minérios, como é o caso do Pará, e de grãos, como no Mato Grosso. Ouça a explicação do ministro diante da pergunda do editor da revista Agro DBO, Richard Jakubazsko. (Com informações da Gazeta do Povo, Estadão e Portal DBO)

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2018 Norte Agropecuário