Criada em 10/07/2019 às 13h49 | Meio Ambiente

Aprosoja reúne autoridades, agricultores e pecuaristas para debater produção sustentável no cerrado e Matopiba

Promovido pela Associação Brasileira dos Produtores de Soja, seminário reunirá na próxima segunda-feira, dia 15, em Palmas (TO), líderes ruralistas, autoridades políticas e contará com palestra da Embrapa Territorial. Produtores de seis Estados são esperados no evento.

Imagem

O presidente da Aprosoja Brasil, Bartolomeu Braz Pereira, estará
em Palmas na próxima segunda-feira (foto: Aprosoja/Divulgação)

Maurício Buffon: "O agro é legal, segue as leis e o que determina
o Código Florestal Brasileiro” (foto: Aprosoja/Divulgação)

Agricultores e pecuaristas de pelo menos seis Estados do Brasil se reúnem na próxima segunda-feira, dia 15, em Palmas, com autoridades nacionais para discutir produção sustentável no país. Promovido pela Aprosoja Brasil (Associação Brasileira dos Produtores de Soja), com apoio da Aprosoja Tocantins, o seminário “Soja Responsável - Produzindo Com Sustentabilidade Ambiental” terá palestra de membros da Embrapa Territorial, que apresentarão dados socioeconômicos e ambientais do bioma cerrado e da fronteira agrícola do Matopiba, formada por Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia.

O seminário será realizado no auditório da Assembleia Legislativa do Tocantins, a partir das 14h, com transmissão ao vivo por plataformas digitais da entidade promotora do evento e seus dirigentes. O presidente da Aprosoja Brasil, Bartolomeu Braz Pereira, confirmou presença. Organizadores do evento tentam a confirmação da participação dos ministros do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e da Agricultura, Tereza Cristina.

Além dos produtores do Matopiba, são esperados membros da cadeia produtiva de, entre outros Estados, Goiás e Mato Grosso. Parlamentares e membros do Poder Executivo das mais diversas esferas foram convidados.

De acordo com o presidente da Aprosoja Tocantins, Maurício Buffon, no seminário os produtores, autoridades e a sociedade terão números e informações oficiais que comprovam que os produtores que atuam na região centro norte do Brasil estão dentro da legalidade, seguem o Código Florestal Brasileiro e que a região tem condições de se desenvolver, produzir mais alimentos e gerar riquezas sem prejudicar o meio ambiente. “Faremos uma discussão sobre o cerrado, o Matopiba e o desenvolvimento econômico sustentável. O agro é legal, segue as leis e o que determina o Código Florestal Brasileiro. Discutiremos esses temas com informações oficiais, fiéis e que têm origem na sua comprovação. A região está em franca expansão e não podemos travar o desenvolvimento mediante informações extraoficiais”, disse.

VEJA TAMBÉM 

Maurício Buffon: “País consegue produzir mais sem desmatar”

Presidente da Aprosoja no Tocantins critica duramente atuação de ONGS

“Estado estaria bem pior sem a intervenção da agricultura", diz Buffon

Cerrado não está ameaçado, afirma Maurício Buffon em entrevista exclusiva

CLIQUE AQUI E OUÇA OUTRAS ENTREVISTAS EXCLUSIVAS DO NORTE AGROPECUÁRIO 

“Produtor é penalizado por falsa moral que não leva ganho ambiental a ninguém”, afirma presidente da Aprosoja-TO

Produtores rurais são os que mais preservam o meio ambiente no território brasileiro, desmistifica pesquisador da Embrapa

Pesquisador detalha mapeamento via satélite de pastagens degradadas do bioma cerrado do Tocantins e em outros 3 Estados

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS SOBRE A PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA NO CERRADO

Ainda conforme o presidente da Aprosoja-TO, a Embrapa trará essas informações, que serão compartilhadas com os próprios produtores, autoridades e a sociedade em geral. “No Tocantins, temos 3% de área agricultável. A média do Brasil é de 7,6%. Precisamos igualar a média brasileira para desenvolver socioeconomicamente. Vamos mostrar os números de nossa produção, nossa capacidade de se desenvolver porque, de fato, há espaço para crescermos sem devastar e sem prejudicar o meio ambiente. O agro, com uma produção de 7,6% da área, não prejudica o meio ambiente. Isso é fato e digo baseado em estudos que garantem que o problema do meio ambiente não é o produtor”, ressaltou.

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2019 Norte Agropecuário