Criada em 19/08/2019 às 15h07 | Apicultura

Mais de 300 apicultores participam de seminário em Araguaína

O III Seminário Estadual de Apicultura reuniu nos dias 15 e 16, mais de 300 apicultores de várias regiões do Estado. As atividades contaram com parte teórica e prática em apiários, melíponários e oficina de cosméticos.

Imagem
Oficina de meliponicultura durante o seminário em Araguaína. (Foto Wilson Rodrigues / Governo do Tocantins)

Mariah Soares
DE PALMAS (TO)

O III Seminário Estadual de Apicultura superou as expectativas. Mais de 300 apicultores de várias regiões do estado participaram do evento, que aconteceu em Araguaína, na quinta-feira, 15, e sexta-feira, 16.

No último dia, as atividades ocorreram na Faculdade de Veterinária com parte teórica e prática em apiários, melíponários e oficina de cosméticos. Mesa redonda, palestras e apresentação de caso de sucesso encerraram a programação no Campus da Universidade Federal do Tocantins (UFT) no setor Cimba.

Alicerçado nos eixos “conhecer para preservar; preservar para produzir; produzir para sustentar; sustentar para desenvolver”, o evento teve a finalidade de propor que o conhecimento seja incentivo para a preservação e conservação das espécies polinizadoras.

Iniciativa da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Aquicultura (Seagro) e parceiros, o seminário teve ampla programação com atividades direcionadas também à meliponicultura, no II Seminário Estadual de Meliponicultura, que aconteceu simultaneamente.

A avaliação da médica veterinária da Seagro e responsável pelo evento, Érika Jardim, foi positiva. “O seminário cumpriu o objetivo, que era capacitar apicultores, técnicos e estudantes. Tivemos mais de 300 pessoas.  Destacamos também a implantação dos apiários e dos meliponários didáticos com repasse dos equipamentos para os pesquisadores. O evento cumpriu a sua finalidade”, afirmou.

 
Presidente da Federação da Apicultura Tocantinense, José Neuto Souto, vê
expansão da cadeia da apicultura. (Foto Wilson Rodrigues/Governo do Tocantins)

Na mesma linha de raciocínio, o presidente da Federação da Apicultura Tocantinense (Fetoapi) e da Câmara Setorial do Mel José Neuto Souto, a cadeia da apicultura está em expansão. “Estamos vislumbrando um futuro promissor. Cada um que cria abelha terá a sua renda familiar aumentada. Estamos otimistas, passando uma visão de empreendedorismo para os nossos meliponicultores e apicultores, visando o fortalecimento de toda a cadeia do mel e os resultados já estão acontecendo”, destacou.

Cadeia da apicultura

Com a produção de 100 toneladas por ano, o Tocantins comercializa o mel internamente. Nova Olinda, na região norte do estado, é o principal produtor tocantinense. Conforme a Câmara Setorial do Mel, o estado possui 1,3 mil apicultores em atividade.

De acordo com o secretario da Agricultura, Pecuária e Aquicultura César Halum, a cadeia produtiva da apicultura é uma importante atividade econômica, que gera emprego e renda aos apicultores, meliponicultores, processadores, varejistas que contribuem para o desenvolvimento socioeconômico do Tocantins.

O apicultor Magno Freire é um exemplo de que a cadeia da apicultura gera renda. Na atividade há 21 anos, o apicultor passou de assistente de pedreiro ao maior produtor de mel do estado. Morando em Nova Olinda, ele iniciou com cinco colmeias e hoje produz cinco toneladas de mel por ano.


Apicultor Antonio José de Carvalho vive da venda do mel.
(Foto Wilson Rodrigues/Governo do Tocantins)

O apicultor Antonio José de Carvalho, do assentamento Manchete, município Marianópolis também vive da atividade. Começou criar abelhas para o consumo, mas a atividade cresceu. “Hoje pagamos as despesas com a venda do mel. Vendemos o litro por R$ 40”, afirmou.

Parceiros

Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins), Agência de Defesa Agropecuária do Estado (Adapec), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Federação da Apicultura Tocantinense (Fetoapi), Faculdade Católica, Centro Universitário Luterano de Palmas (Ceulp/Ulbra),  Universidade Federal do Tocantins (UFT), Fundação de Amparo à Pesquisa do Tocantins (Fapt), Instituto Federal do Tocantins (IFTO), Sindicato Rural de Araguaína, Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Tocantins (Faet) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).  (Da Seagro)

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2020 Norte Agropecuário