Criada em 02/07/2020 às 14h50 | Meio Ambiente

Com sucessivas quedas, desmatamento associado à soja no cerrado tem nova redução; taxa é a menor em 18 anos

No Matopiba, a área de soja aumentou de 0,9 para 4,1 milhões de hectares neste período. Por outro lado, de 2016/17 a 2018/19, houve ligeira queda na taxa anual de expansão da soja no bioma, puxada justamente por uma desaceleração na fronteira agrícola formada por MA, TO, PI e BA.

Imagem
Taxa é a menor em 18 anos e sofrendo sucessivas quedas; Tendência é de expansão nas áreas de pastagens no próximo ciclo de crescimento da cultura no bioma (foto: Aprosoja/Divulgação)

Em função da importância econômica da soja para o Cerrado e atenta às preocupações relacionadas aos impactos socioambientais causados pela cultura na região, a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) tem dedicado esforços com o objetivo de acompanhar a crescente expansão da soja no bioma. Estudo encomendado pela entidade e elaborado pela Agrosatélite, por meio da análise de imagens de satélites adquiridas desde o início dos anos 2000, concluiu que, apesar da expansão da cultura no Cerrado, este crescimento sobre áreas desmatadas vem caindo sucessivamente, passando de 215 mil hectares anuais de 2001 a 2006 para 73 mil hectares ao ano de 2014 a 2018.

“Já havíamos constatado essa tendência de queda do desmatamento associado à soja no estudo anterior, divulgado em 2018, e ela se confirma agora. Temos a menor taxa de desmatamento associado à soja em 18 anos. A justificativa é o aumento da produtividade e a expansão dos plantios em áreas já antropizadas”, diz André Nassar, presidente da ABIOVE.

O Cerrado é o segundo maior bioma do Brasil e ocupa 204 milhões de hectares, sendo que 52,5% está coberto por vegetação nativa. É nele que está hoje 51% de toda a área de soja nacional.

O estudo mostra que a área de soja no Cerrado cresceu 2,4 vezes nas últimas 18 safras, passando de 7,5 (em 2000/01) para 18,2 milhões de hectares (8,9% do bioma) em 2018/19. Neste mesmo período também houve um aumento de 30% da produtividade a partir do melhoramento genético dos cultivares e agricultura de precisão.

Um terço desta expansão se concentrou no Matopiba (formado por Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), onde a área de soja aumentou de 0,9 para 4,1 milhões de hectares no mesmo período. Por outro lado, de 2016/17 a 2018/19, houve ligeira queda na taxa anual de expansão da soja no bioma, puxada justamente por uma desaceleração no Matopiba.

Tanto no Matopiba quanto nos outros estados do Cerrado (Mato Grosso, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná, Rondônia e pelo Distrito Federal), a rotação de culturas e o pousio exercem papel relevante na dinâmica da expansão da soja entre as safras. A conversão de pastagens é mais relevante nos outros estados, contribuindo com 67,2% (1,23 milhões de hectares) da expansão de 2014 a 2018. Neste período, o desmatamento na região representou apenas 4,4% (80 mil hectares) da expansão líquida da área de soja.

Segundo o estudo inédito, o bioma Cerrado tem hoje 95,7 milhões de hectares (46,8%) da sua área antropizada, dos quais 26,1 milhões de hectares estão com pastagem em área de aptidão agrícola para soja. “A tendência é de até a safra 2028/29 a área cultivada com soja no Cerrado cresça em até 5 milhões de hectares, sendo que esse próximo ciclo de expansão pode acontecer em quase sua totalidade nas áreas de pastagens”, explica Bernardo Rudorff, diretor-executivo da Agrosatélite.

“O estabelecimento de um mecanismo de compensação financeira pela manutenção da vegetação nativa preservada nos imóveis que cultivam soja no Cerrado é uma ideia que temos defendido na Abiove e que também aprofundamos ao longo do estudo. Identificamos que o bioma possui hoje uma área total de 4,4 milhões de hectares passível de compensação financeira de acordo com o mecanismo que estamos discutindo para o bioma”, completa Nassar. (Da FSB Comunicação e Portal do Agronegócio)

 

 

 
 

 

 


Clique no ícone acima e ouça a entrevista

 


 

 

  

 

Somadas, riquezas produzidas pelo campo tocantinense devem alcançar montante de R$ 9,8 bilhões neste ano de 2020

CLIQUE AQUI E VEJA OS NÚMEROS DETALHADOS DO VBP DO TOCANTINS 

Diferente da tendência nacional, que prevê queda, estimativa da safra de grãos do Tocantins é ainda maior, aponta Conab

Cadeia produtiva da carne gera mais de 315 mil empregos e faz circular R$ 7 bilhões por ano em todos segmentos do comércio

Clique aqui e veja o que foi publicado sobre números do VBP do Tocantins e do Brasil

Ação solidária e balanço de exportação de carne são destaques do Norte Agropecuário no Rádio

União de produtores, segmentos da sociedade e iniciativa de empresa do agro abre leitos hospitalares no Tocantins

CLIQUE AQUI E OUÇA TODAS AS EDIÇÕES DO NORTE AGROPECUÁRIO NO RÁDIO

VEJA TAMBÉM 

Plataforma digital com dados espaciais da região do Matopiba será útil nas ações de extensão rural e assistência técnica

LEIA MAIS NOTÍCIAS SOBRE A FRONTEIRA AGRÍCOLA DO MATOPIBA

CLIQUE AQUI E CONFIRA TODAS AS EDIÇÕES DO NORTE AGROPECUÁRIO NO RÁDIO  

 

 

CLIQUE AQUI E LEIA O QUE FOI PUBLICADO SOBRE O CORONAVÍRUS 



 

 

“Apesar dos esforços, comunicação do agro não conseguiu chegar na população e mostrar a importância do segmento”, diz ministra

Agro deve tratar comunicação como 'insumo' e mostrar à sociedade sua importância, dizem produtor e profissionais

Agricultor brasileiro é um dos que menos desmata no mundo

Cadeia produtiva da carne gera mais de 315 mil empregos e faz circular R$ 7 bilhões por ano em todos segmentos do comércio

Valor bruto da produção agropecuária do Estado do Tocantins neste ano deve ser de mais de R$ 9,7 bilhões

 

 

Norte Agropecuário no Rádio aborda queda no abate de gado e balanços econômicos de culturas agrícolas

“Não há políticas públicas de retenção dos bovinos; frigoríficos poderiam estar trabalhando na plenitude da capacidade”, diz Sindicarnes-TO

César Halum dá detalhes sobre realização da Agrotins 2020 de forma virtual 

CLIQUE AQUI E CONFIRA TODAS AS EDIÇÕES DO NORTE AGROPECUÁRIO NO RÁDIO  

Após retração de 3,2% em 2019, Tocantins registra queda de 15% no abate de bovinos no primeiro trimestre deste ano de 2020

Cadeia produtiva da carne gera mais de 315 mil empregos e faz circular R$ 7 bilhões por ano em todos segmentos do comércio

IBGE aponta queda de 3,2% no abate de bovinos no Estado do Tocantins no ano passado

Em três anos, mais de 2 milhões de cabeças de gado “somem” do Tocantins; Estado deixa de arrecadar meio bilhão de reais

Frigoríficos brasileiros abateram 1,019 milhão de bovinos em março; queda é de 47%, aponta Mapa

Recorde de exportações e análise do mercado do boi no Tocantins são destaques do Norte Agropecuário no Rádio na Jovem FM

“Sumiço” de 2 milhões de bovinos, produtividade do milho e técnica para plantio de mandioca são destaques no rádio

Técnica desenvolvida para piscicultura e reabertura do comércio da carne para EUA são destaques do Norte Agropecuário no Rádio

 

 




Reajuste do ICMS dos frigoríficos vai estourar no produtor e no consumidor, diz presidente do Sindicato Rural de Araguaína

AGROVERDADES: CLIQUE AQUI E ASSISTA O FÓRUM DO AGRONEGÓCIO DO TOCANTINS, EM ARAGUAÍNA

Aumento da alíquota do ICMS para frigoríficos transformará carne do Tocantins na mais cara do Brasil, aponta especialista

Cadeia produtiva da carne gera mais de 315 mil empregos e faz circular R$ 7 bilhões por ano em todos segmentos do comércio

Pecuaristas pedem adiamento por 150 dias do início da vigência do reajuste de alíquota do ICMS dos frigoríficos do Tocantins

Reajuste do ICMS para frigoríficos do Estado do Tocantins vai impactar o produtor, afirma pecuarista da região de Araguaína

“Cadeia da carne não se nega a pagar imposto, mas governo não pode virar monstro devorador de indústria”, afirma diretor do SRA

Revogação de benefícios a frigoríficos gera “alto custo” ao setor, impacta no abastecimento e formação de preço, diz juiz

Sem acordo: Governo propõe alíquota de 4,5%, mas frigoríficos querem 1,8%; comissão será criada para estudar o tema 

 








 CLIQUE NOS LINKS ABAIXO E SAIBA MAIS SOBRE O TEMA 

Fator coronavírus: SRA reforça pedido de diálogo com governo e defende redução de impostos para baratear preço da carne

Fieto pede ao governo do Estado suspensão de aumento de ICMS para frigoríficos do Tocantins

Reajuste do ICMS dos frigoríficos pode gerar “fantasma do desemprego”, alta do preço da carne e desabastecimento, diz SRA

CLIQUE AQUI E VEJA A CÓPIA DO COMUNICADO ENVIADO PELO SRA À ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

VEJA NESTE LINK A CÓPIA DA SOLICITAÇÃO DA FAET AO GOVERNO DO TOCANTINS

Produtor pagará a conta, afirma vice-presidente do Sindicato Rural de Araguaína sobre aumento do ICMS para frigoríficos

Pecuaristas pedem adiamento por 120 dias do início da vigência do reajuste de alíquota do ICMS dos frigoríficos do Tocantins

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2020 Norte Agropecuário