Criada em 01/04/2020 às 12h21 | Pecuária

Frigoríficos brasileiros abateram 1,019 milhão de bovinos em março; queda é de 47%, aponta Ministério da Agricultura

Além disso a queda nos abates de bovinos não ficou restrita ao mês de março e não pode ser exclusivamente debitada na conta da covid-19. No primeiro bimestre, quando a doença ainda não havia provocado grandes impactos no Brasil, o ritmo de abates já apresentava redução significativa.

Imagem




Dados do Ministério da Agricultura apontam que frigoríficos fiscalizados pelo Serviço de Inspeção Federal (SIF) abateram 1,019 milhão de cabeças de bovinos, redução de 47% na comparação com os 1,943 milhão de animais abatidos no mesmo intervalo do ano passado. A queda ocorre em meio à pandemia do novo coronavírus. As informações são do jornal Valor Econômico.

As unidades fiscalizadas pelos SIF são as maiores e as únicas que podem exportar e vender produtos entre os Estados do país. Há 224 abatedouros do gênero no Brasil. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os frigoríficos com fiscalização federal respondem por mais de 70% dos abates de bovinos do país.

SAIBA MAIS: 

IBGE aponta queda de 3,2% no abate de bovinos no Estado do Tocantins no ano passado

Em três anos, mais de 2 milhões de cabeças de gado “somem” do Tocantins; Estado deixa de arrecadar meio bilhão de reais

Em março, a paralisação temporária de nove abatedouros com SIF — cinco da JBS, a partir do dia 19, e quatro da Minerva, a partir de 23 de março — ajudou a derrubar os abates. Mas outras empresas também reduziram o ritmo, de acordo com executivos do setor.

Além disso a queda nos abates de bovinos não ficou restrita ao mês de março e não pode ser exclusivamente debitada na conta da covid-19. No primeiro bimestre, quando a doença ainda não havia provocado grandes impactos no Brasil, o ritmo de abates já apresentava redução significativa.

Os abates em janeiro caíram 15,4% em janeiro, somando 1,814 milhões de cabeças. Em fevereiro, a redução foi de 9,6% ante igual período do ano passado, segundo dos dados do Ministério da Agricultura.

Com isso, os abates nas unidades com inspeção federal recuaram 23,9% no primeiro trimestre, somando 4,576 milhões de cabeças. No mesmo intervalo do ano passado, foram abatidas 6,015 milhões de cabeças de bovinos.

Segundo o dono de um frigorífico, as margens de lucro no mercado doméstico já estavam apertadas mesmo antes da piora da demanda que se seguiu à redução de circulação e paralisação do comercio nas principais cidades do país. No mercado externo, o início de ano também contou com uma demanda menor da China.

Do lado da oferta, as chuvas abundantes e o período de safra das pastagens ofereceram mais condições para o pecuarista segurar o gado no pasto. Também há um impacto do ciclo de médio prazo da pecuária, com maior retenção de vacas disponíveis para abate. (Com informações do Valor Econômico/Beefpoint)

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2020 Norte Agropecuário