Criada em 17/02/2020 às 09h47 | Equinos

Após quase três anos, Estado do Tocantins volta a registrar caso de mormo; Adapec informa ter tomado as providências

Animal será sacrificado e está ocorrendo o saneamento das propriedades e levantamento dos vínculos epidemiológicos. Saúde foi notificada por se tratar de zoonose, doença que pode ser transmitida ao homem, seguindo o que preconiza a legislação.

Imagem
O Governo do Estado informou, por meio da Adapec, está tomando todas as medidas sanitárias para eliminação do foco da propriedade rural (foto: Mapa/Divulgação)



Clique no ícone acima e ouça a íntegra do
programa Norte Agropecuário no Rádio

Dinalva Martins 
DE PALMAS (TO)

A Agência de Defesa Agropecuária (Adapec) confirmou um caso de mormo em um cavalo numa propriedade rural, localizada na Ilha do Bananal, na sexta-feira, 14, após resultado do exame complementar confirmatório de western blotting. Todas as medidas sanitárias estão sendo tomadas: o animal será sacrificado, está ocorrendo o saneamento das propriedades e levantamento dos vínculos epidemiológicos para colheita de material de todos os animais susceptíveis á doença, entre outros.

De acordo com o responsável pelo Programa Estadual de Sanidade dos Equídeos da Adapec, Raydleno Mateus Tavares, até o momento não há informação sobre como o equino adquiriu a doença. “Fizemos um levantamento do histórico de trânsito desse animal nos últimos seis meses e não há registro de movimentação. Ainda assim, continuamos com as investigações”, enfatiza.

A instituição também notificou a Secretaria da Saúde do Estado por se tratar de zoonose, doença que pode ser transmitida ao homem, seguindo o que preconiza a legislação.
Vale lembrar que em casos de suspeita da doença, o produtor rural deve notificar imediatamente a Adapec em uma das suas unidades ou pelo Disque Defesa 0800 63 11 22, bem como denunciar trânsito clandestino de animais.

O CASO

No dia 26 de janeiro, a Agência recebeu a notificação de um animal suspeito de mormo no exame de triagem. A partir do fato, notificou o produtor de imediato e isolou o animal até a realização do exame complementar que resultou na confirmação da enfermidade.

No Estado, o primeiro caso de Mormo surgiu em 2015. O último registro de animal positivo foi em 22 de novembro de 2017.

O Tocantins para ter novamente o status sanitário de livre do Mormo precisa estar três anos sem notificação de focos da doença, além de passar pelos processos normativos do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa).

A DOENÇA

O Mormo é uma doença infectocontagiosa causada por bactéria que acomete principalmente os equídeos (asininos, equinos e muares). Nos equídeos, os principais sintomas são nódulos nas narinas, corrimento purulento, pneumonia, febre e emagrecimento. Existe ainda a forma latente na qual os animais não apresentam sintomas, mas possuem a enfermidade. (Da Adapec)

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2020 Norte Agropecuário