Criada em 01/07/2020 às 09h57 | Grãos

Palavra de especialista: Para pesquisador, produtor rural deve estar atento à má formação dos grãos na espiga de milho

No contexto de uma agricultura competitiva e tecnificada, buscar o acerto em todas as etapas produtivas é fundamental para se alcançar recordes em produção e produtividade. Na cultura do milho, o problema de falhas na granação das espigas tem sido recorrente e significativo em lavouras.

Imagem
Pesquisador Paulo César Magalhães alerta sobre a má formação dos grãos (Foto: Guilherme Viana/Embrapa)

Guilherme Viana
DE SETE LAGOAS (MG)

O recorde de produção da safra brasileira de grãos, estimada em mais de 255 milhões de toneladas, sendo o milho responsável por quase 103 milhões de toneladas desse volume total, tem mostrado a alta eficiência produtiva e tecnológica dos agricultores.

“Objetivamente, esta agenda positiva representa para o Brasil a produtividade e a alta eficiência de desempenho de sistemas agrícolas complexos, fundamentados em inteligência, ciência e dados”, reforça Frederico Ozanan Machado Durães, chefe-geral da Embrapa Milho e Sorgo.

Nesse contexto de uma agricultura competitiva e tecnificada, buscar o acerto em todas as etapas produtivas é fundamental para se alcançar recordes em produção e produtividade. Na cultura do milho, o problema de falhas na granação das espigas tem sido recorrente e significativo em muitas lavouras. Segundo o pesquisador Paulo César Magalhães, da área de Fisiologia Vegetal, a má formação dos grãos acarreta quedas consideráveis de produção, sendo ocasionada por causas genéticas, bióticas, abióticas e “outros fatores”, como denomina o pesquisador.

Dessa forma, a Embrapa Milho e Sorgo produziu um vídeo com o pesquisador para que os produtores conheçam, diagnostiquem e controlem o problema. Na entrevista a seguir, saiba um pouco mais sobre o tema, as formas como o problema pode aparecer e a importância de se seguir todas as recomendações agronômicas antes, durante e após o plantio. Fatores que comprometem a eficiência produtiva, como o estresse hídrico, os ataques de pragas e o manejo cultural, podem comprometer ainda mais a formação dos grãos na espiga, prejudicando de forma acentuada a produção e a produtividade. (Da Embrapa Milho e Sorgo)

Entrevista – Pesquisador Paulo César Magalhães:

O problema de falhas na granação das espigas de milho é recorrente e significativo entre as cultivares modernas de milho comercializadas no mercado?
Sim, é recorrente e significativo. Acontece muito com alguns híbridos comercializados no mercado; logicamente não são todos, pois para acontecer (o problema da má granação) é preciso que situações especiais ocorram – como as citadas no vídeo.

Em média, atinge qual porcentagem das cultivares? Há mais incidência entre algum tipo específico (variedade, híbridos simples, duplos ou triplos)?
Difícil precisar a porcentagem, pois como mencionei é preciso condições especiais (citadas no vídeo) para o problema ocorrer. Acontece com todos os materiais (HS, HD, HT, etc.). Assim, vai depender de híbrido utilizado, época de semeadura, presença de pragas, déficit hídrico, etc.

Quais as quedas na produção e produtividade causadas por esse problema?
As quedas normalmente são significativas e serão tanto maiores quanto for a gravidade do problema (situações especiais). Ou seja, se for a incidência de uma praga, por exemplo, vai depender do grau de infestação, e assim por diante...

Sobre os fatores bióticos, há alguma praga que possa ser considerada como mais agravante do problema? Seria a lagarta-da-espiga?
Tanto a lagarta como a mosca-das-espigas são pragas muito importantes. De acordo com o pesquisador Ivan Cruz, da área de Entomologia, ambas são muito danosas. Às vezes, a mosca é negligenciada, porém, de acordo com ele, pode ser tão grave quanto a lagarta.

Em relação aos fatores abióticos, a Embrapa possui cultivares com mais tolerância ao estresse hídrico ou com maior performance e resistência a essa condição?
Tenho trabalhado bastante com o híbrido simples BRS 1055 e ele tem uma performance muito boa sob estresse hídrico. A cultivar da Embrapa BRS 1055 é minha referencia para tolerância ao estresse hídrico.

Sobre a questão "outros fatores", a falta de sincronização floral entre a parte masculina e a feminina pode ser corrigida com o plantio de quais materiais? Somado a isso, quais as práticas de manejo recomendadas?
A questão da sincronização é agravada pelo estresse hídrico. Assim, cultivares tolerantes ao estresse hídrico não vão ter problemas com a sincronização. A época correta da semeadura é crucial para evitar esse problema, pois, dessa forma, evita que haja coincidência da ocorrência do estresse hídrico com o florescimento.

 

 

 

 
 

 

 


Clique no ícone acima e ouça a entrevista

 


 

 

  

 

Somadas, riquezas produzidas pelo campo tocantinense devem alcançar montante de R$ 9,8 bilhões neste ano de 2020

CLIQUE AQUI E VEJA OS NÚMEROS DETALHADOS DO VBP DO TOCANTINS 

Diferente da tendência nacional, que prevê queda, estimativa da safra de grãos do Tocantins é ainda maior, aponta Conab

Cadeia produtiva da carne gera mais de 315 mil empregos e faz circular R$ 7 bilhões por ano em todos segmentos do comércio

Clique aqui e veja o que foi publicado sobre números do VBP do Tocantins e do Brasil

Ação solidária e balanço de exportação de carne são destaques do Norte Agropecuário no Rádio

União de produtores, segmentos da sociedade e iniciativa de empresa do agro abre leitos hospitalares no Tocantins

CLIQUE AQUI E OUÇA TODAS AS EDIÇÕES DO NORTE AGROPECUÁRIO NO RÁDIO

VEJA TAMBÉM 

Plataforma digital com dados espaciais da região do Matopiba será útil nas ações de extensão rural e assistência técnica

LEIA MAIS NOTÍCIAS SOBRE A FRONTEIRA AGRÍCOLA DO MATOPIBA

CLIQUE AQUI E CONFIRA TODAS AS EDIÇÕES DO NORTE AGROPECUÁRIO NO RÁDIO  

 

 

CLIQUE AQUI E LEIA O QUE FOI PUBLICADO SOBRE O CORONAVÍRUS 



 

 

“Apesar dos esforços, comunicação do agro não conseguiu chegar na população e mostrar a importância do segmento”, diz ministra

Agro deve tratar comunicação como 'insumo' e mostrar à sociedade sua importância, dizem produtor e profissionais

Agricultor brasileiro é um dos que menos desmata no mundo

Cadeia produtiva da carne gera mais de 315 mil empregos e faz circular R$ 7 bilhões por ano em todos segmentos do comércio

Valor bruto da produção agropecuária do Estado do Tocantins neste ano deve ser de mais de R$ 9,7 bilhões

 

 

Norte Agropecuário no Rádio aborda queda no abate de gado e balanços econômicos de culturas agrícolas

“Não há políticas públicas de retenção dos bovinos; frigoríficos poderiam estar trabalhando na plenitude da capacidade”, diz Sindicarnes-TO

César Halum dá detalhes sobre realização da Agrotins 2020 de forma virtual 

CLIQUE AQUI E CONFIRA TODAS AS EDIÇÕES DO NORTE AGROPECUÁRIO NO RÁDIO  

Após retração de 3,2% em 2019, Tocantins registra queda de 15% no abate de bovinos no primeiro trimestre deste ano de 2020

Cadeia produtiva da carne gera mais de 315 mil empregos e faz circular R$ 7 bilhões por ano em todos segmentos do comércio

IBGE aponta queda de 3,2% no abate de bovinos no Estado do Tocantins no ano passado

Em três anos, mais de 2 milhões de cabeças de gado “somem” do Tocantins; Estado deixa de arrecadar meio bilhão de reais

Frigoríficos brasileiros abateram 1,019 milhão de bovinos em março; queda é de 47%, aponta Mapa

Recorde de exportações e análise do mercado do boi no Tocantins são destaques do Norte Agropecuário no Rádio na Jovem FM

“Sumiço” de 2 milhões de bovinos, produtividade do milho e técnica para plantio de mandioca são destaques no rádio

Técnica desenvolvida para piscicultura e reabertura do comércio da carne para EUA são destaques do Norte Agropecuário no Rádio

 

 




Reajuste do ICMS dos frigoríficos vai estourar no produtor e no consumidor, diz presidente do Sindicato Rural de Araguaína

AGROVERDADES: CLIQUE AQUI E ASSISTA O FÓRUM DO AGRONEGÓCIO DO TOCANTINS, EM ARAGUAÍNA

Aumento da alíquota do ICMS para frigoríficos transformará carne do Tocantins na mais cara do Brasil, aponta especialista

Cadeia produtiva da carne gera mais de 315 mil empregos e faz circular R$ 7 bilhões por ano em todos segmentos do comércio

Pecuaristas pedem adiamento por 150 dias do início da vigência do reajuste de alíquota do ICMS dos frigoríficos do Tocantins

Reajuste do ICMS para frigoríficos do Estado do Tocantins vai impactar o produtor, afirma pecuarista da região de Araguaína

“Cadeia da carne não se nega a pagar imposto, mas governo não pode virar monstro devorador de indústria”, afirma diretor do SRA

Revogação de benefícios a frigoríficos gera “alto custo” ao setor, impacta no abastecimento e formação de preço, diz juiz

Sem acordo: Governo propõe alíquota de 4,5%, mas frigoríficos querem 1,8%; comissão será criada para estudar o tema 

 








 CLIQUE NOS LINKS ABAIXO E SAIBA MAIS SOBRE O TEMA 

Fator coronavírus: SRA reforça pedido de diálogo com governo e defende redução de impostos para baratear preço da carne

Fieto pede ao governo do Estado suspensão de aumento de ICMS para frigoríficos do Tocantins

Reajuste do ICMS dos frigoríficos pode gerar “fantasma do desemprego”, alta do preço da carne e desabastecimento, diz SRA

CLIQUE AQUI E VEJA A CÓPIA DO COMUNICADO ENVIADO PELO SRA À ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

VEJA NESTE LINK A CÓPIA DA SOLICITAÇÃO DA FAET AO GOVERNO DO TOCANTINS

Produtor pagará a conta, afirma vice-presidente do Sindicato Rural de Araguaína sobre aumento do ICMS para frigoríficos

Pecuaristas pedem adiamento por 120 dias do início da vigência do reajuste de alíquota do ICMS dos frigoríficos do Tocantins

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2020 Norte Agropecuário