Criada em 27/03/2020 às 07h28 | Pecuária

Em três anos, mais de 2 milhões de cabeças de gado “somem” do Tocantins; Estado deixa de arrecadar meio bilhão de reais

Em números exatos, a evasão do gado do Tocantins foi de 2.062.674 animais entre 2017 e 2019. Com isso, o Estado deixou de arrecadar R$ 572.515.795,44. Outro problema do setor é a queda do rebanho bovino. Esse e outros problemas deixam frigoríficos com ociosidade de 56% da capacidade.

Imagem
Números resultam da ineficiência do governo tocantinense na fiscalização da entrada e saída dos bovinos do Estado (foto: Mapa/Divulgação)


Clique no ícone acima e assista ao programa

Análises do balanço anual do rebanho bovino estadual e de relatórios de entradas e saídas de gado do Tocantins apontam: mais de 2 milhões de animais “sumiram” do Estado num período de três anos. A evasão dos bovinos chama a atenção para outro problema grave, conforme profissionais da área ouvidos pelo Norte Agropecuário. Falhas na fiscalização por parte do governo do Estado, que, com isso, deixa de arrecadar aproximadamente meio bilhão de reais em ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

Em números exatos, a evasão do gado do Tocantins foi de 2.062.674 animais entre 2017 e 2019. Com isso, o Estado deixou de arrecadar R$ 572.515.795,44. A maior evasão, conforme o levantamento feito pelo Norte Agropecuário, foi em 2017: 774.749 cabeças, ou seja, R$ 215.039.332,44 em ICMS que os cofres públicos estaduais deixaram de obter. Em 2018 foram 670.714 bovinos (frustação de arrecadação de R$ 186.163.377,84). E, no ano passado, foram 617.211 bovinos (perda de R$ 171.313.085,16 em ICMS para os cofres públicos estaduais).

Especialistas ouvidos pelo Norte Agropecuário apontam que o problema poderia ser resolvido com melhoria, por parte do Executivo estadual, da fiscalização nas divisas.

O Norte Agropecuário solicitou ao governo Estadual análise e resposta à questão da fiscalização das mercadorias nas divisas e aguarda o posicionamento.

CLIQUE NOS LINKS ABAIXO E SAIBA MAIS SOBRE O TEMA 

Fator coronavírus: SRA reforça pedido de diálogo com governo e defende redução de impostos para baratear preço da carne

Fieto pede ao governo do Estado suspensão de aumento de ICMS para frigoríficos do Tocantins

Reajuste do ICMS dos frigoríficos pode gerar “fantasma do desemprego”, alta do preço da carne e desabastecimento, diz SRA

CLIQUE AQUI E VEJA A CÓPIA DO COMUNICADO ENVIADO PELO SRA À ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

VEJA NESTE LINK A CÓPIA DA SOLICITAÇÃO DA FAET AO GOVERNO DO TOCANTINS

Produtor pagará a conta, afirma vice-presidente do Sindicato Rural de Araguaína sobre aumento do ICMS para frigoríficos

Pecuaristas pedem adiamento por 120 dias do início da vigência do reajuste de alíquota do ICMS dos frigoríficos do Tocantins





REDUÇÃO DO REBANHO

Outro problema na área da pecuária tocantinense é a redução do rebanho bovino do Estado. Esse e outros problemas deixam frigoríficos com ociosidade de 56% da capacidade.

Divulgado há uma semana pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o estudo denominado “Estatística da Produção Pecuária” aponta que houve queda de 3,2% no abate de bovinos no Estado do Tocantins. Conforme tabelas de resultados anuais analisadas pelo Norte Agropecuário, no ano passado foram abatidos 1.032.557 animais, ou seja, 34.427 a menos que no ano anterior, que registrou 1.066.984. Já ao avaliar o peso das carcaças, segundo o IBGE, houve aumento de 2,8%. Isso porque em 2019 o abate compreendeu 266.337 toneladas. Em 2018 foram 259.158 toneladas. Ao analisar os dados do 4º trimestre de 2019, o IBGE aponta que a redução foi maior: o Tocantins abateu 54,6 mil cabeças de gado a menos.

SAIBA MAIS

Reajuste do ICMS dos frigoríficos vai estourar no produtor e no consumidor, diz presidente do Sindicato Rural de Araguaína

AGROVERDADES: CLIQUE AQUI E ASSISTA O FÓRUM DO AGRONEGÓCIO DO TOCANTINS, EM ARAGUAÍNA

Aumento da alíquota do ICMS para frigoríficos transformará carne do Tocantins na mais cara do Brasil, aponta especialista

Cadeia produtiva da carne gera mais de 315 mil empregos e faz circular R$ 7 bilhões por ano em todos segmentos do comércio

Pecuaristas pedem adiamento por 150 dias do início da vigência do reajuste de alíquota do ICMS dos frigoríficos do Tocantins

Reajuste do ICMS para frigoríficos do Estado do Tocantins vai impactar o produtor, afirma pecuarista da região de Araguaína

“Cadeia da carne não se nega a pagar imposto, mas governo não pode virar monstro devorador de indústria”, afirma diretor do SRA

Revogação de benefícios a frigoríficos gera “alto custo” ao setor, impacta no abastecimento e formação de preço, diz juiz

Sem acordo: Governo propõe alíquota de 4,5%, mas frigoríficos querem 1,8%; comissão será criada para estudar o tema




Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2020 Norte Agropecuário