Criada em 04/02/2019 às 08h02 | Pesquisa

Áreas de produção de amendoim no Brasil são mapeadas para prevenir doença do carvão; prejuízos afetaram a Argentina

Um dos possíveis desdobramentos do estudo, caso o patógeno não seja detectado, é declarar as áreas de produção da oleagenosa no Brasil como livres da doença, o que impactaria diretamente a cadeia de exportação do amendoim brasileiro.

Imagem
O mapeamento foi iniciado este ano e tem previsão de conclusão em fevereiro de 2021 (foto: Alejandro Rajo\Embrapa)

Edna Santos
DE CAMPINA GRANDE (PB)

Conhecida como carvão do amendoim, a doença que ataca as vagens da oleaginosa, produzindo uma massa negra de esporos no lugar dos grãos, preocupa os produtores brasileiros. Embora ainda não tenha sido detectado em lavouras comerciais no País, o carvão do amendoim tem causado sérios prejuízos na Argentina, que vão desde o aumento dos custos de produção e queda na produtividade, à restrição na importação do produto por alguns países.

Com o objetivo de manter o Brasil livre dessa doença, a Embrapa iniciou um estudo para mapear as áreas de produção de amendoim no País, verificando a possível presença do patógeno, o fungo Thecaphora frezii. O levantamento está sendo realizando com os produtores, com apoio de entidades do setor, para determinar se há presença do patógeno nas lavouras comerciais e, caso constatado, definir medidas para evitar sua dispersão.

“A intenção é amostrar as áreas de produção de amendoim do Brasil, com ênfase no estado de São Paulo, visando detectar ou não o agente causal, e com base nessas informações fornecer subsídios necessários para que as autoridades competentes possam agir”, explica o pesquisador da Embrapa Dartanhã Soares, que coordena a iniciativa.

PROTEGER O BRASIL

Um dos possíveis desdobramentos do estudo, caso o patógeno não seja detectado, é declarar as áreas de produção da oleagenosa no Brasil como livres da doença, o que impactaria diretamente a cadeia de exportação do amendoim brasileiro. Soares conta que, com a recente divulgação das elevadas perdas de produção ocasionadas pelo carvão do amendoim na Argentina, alguns países produtores e exportadores, como a Austrália e os Estados Unidos, emitiram alertas impondo barreiras fitossanitárias ao amendoim argentino, brasileiro, e de outros países da América Latina. “Embora não existam evidências de que esse patógeno esteja ocorrendo em lavouras comerciais de amendoim do Brasil, devido à falta de estudos sistemáticos que comprovem essa premissa, as autoridades governamentais não possuem argumentos para solicitar a exclusão do País de tais restrições legislativas”, declara o cientista.

Os embargos fitossanitários foram impostos com base em artigo publicado na revista Plant Disease em fevereiro do ano passado. O pesquisador avalia que o impacto desses embargos no momento não é tão sério, pois os principais consumidores do amendoim brasileiro são a Ásia e Europa, mercados em que o principal fator analisado é a presença de aflatoxinas. “Entretanto, em razão dessas restrições, é possível que outros países façam o mesmo, seguindo um efeito cascata. É o caso da China, país em que foi sugerido que sejam adotadas as mesmas medidas impostas pelos Estados Unidos e Austrália. Até que ponto isso realmente irá impactar as exportações brasileiras ainda é uma incógnita. No entanto, a imposição de embargos legislativos, em decorrência de barreiras sanitárias para exportação, é sempre um grande entrave, vide a questão, por exemplo, da febre aftosa”, alerta Soares.

O mapeamento foi iniciado este ano e tem previsão de conclusão em fevereiro de 2021. A prioridade serão as áreas de produção que utilizam sementes importadas da Argentina. “Caso o produtor ou técnico responsável suspeite da ocorrência do patógeno em sua área de produção, ele pode preencher o nosso formulário com o maior detalhamento possível e enviar as amostras coletadas para o endereço que consta no folder”, orienta Soares. As análises das amostras de solo, de vagens e de grãos para beneficiamento serão realizadas sem custo para o produtor.

O projeto também prevê o treinamento de agentes multiplicadores, principalmente aqueles que atuam diretamente com produção e importação de sementes de amendoim. “A ideia é que esses multiplicadores possam ajudar na identificação do patógeno, principalmente quando forem utilizados lotes de sementes importados da Argentina, de modo a permitir que ele seja identificado ainda nos estágios iniciais de sua introdução e com isso mitigar danos futuros”, detalha.

INIMIGO PRÓXIMO

O pesquisador relata que o fungo foi descoberto a partir de amostras de amendoim selvagem coletadas em Mato Grosso do Sul, na década de 1960. “Apesar disso, até o presente momento, não existem relatos da ocorrência de danos causados à cultura do amendoim no nosso País”, observa.

A doença só foi detectada em lavouras comerciais de amendoim na Argentina a partir da safra 1995/1996 e, desde então, vem causando sérios prejuízos à cultura no país vizinho. “Estudos recentes mostram que o patógeno está presente em praticamente 100% das lavouras de produção de amendoim da Argentina, e perdas superiores a 50% têm sido observadas em alguns casos”, conta Soares. “Uma vez que o Brasil importa sementes de amendoim da Argentina, é preciso que sejam adotadas medidas preventivas visando reduzir os riscos de introdução desse patógeno em áreas comerciais de amendoim do Brasil”, alerta o pesquisador.

CARVÃO DE AMENDOIM

O carvão do amendoim é uma doença causada pelo fungo Thecaphora frezii, patógeno que ataca as vagens, produzindo uma massa negra de esporos em substituição aos grãos. Conforme Dartanhã Soares, a doença não deixa qualquer sintoma na parte área, o que dificulta a detecção. “Normalmente a presença do patógeno na área de cultivo só é detectada quando ele já está amplamente disperso e os danos ocasionados já são elevados. Daí a importância de estudos preliminares para a detecção desse patógeno nos seus estágios iniciais de dispersão, de modo a se evitar as altas perdas de produção que têm sido observadas em outros países”, diz o pesquisador.

O agente causal do carvão do amendoim sobrevive no solo por longos períodos, mesmo na ausência do hospedeiro. A transmissão da doença se dá por meio de sementes, da dispersão de esporos pelo vento, e pelo trânsito de maquinário agrícola, o que facilita sua introdução em novas áreas de cultivo.

Não existem fungicidas comerciais registrados para o controle do patógeno. “Testes de eficácia conduzidos na Argentina têm demonstrado que a aplicação direta no solo é mais eficiente que a foliar. Além disso, os melhores resultados foram observados com aplicações noturnas, devido ao fato de as folhas da planta de amendoim estarem ‘fechadas’, facilitando que o fungicida atinja o solo. No entanto, os resultados têm sido bastante variáveis e ainda não existe uma estratégia segura de manejo”, relata o pesquisador da Embrapa.

PRODUÇÃO BRASILEIRA

O Brasil é o segundo maior produtor e exportador de amendoim da América Latina, com 466 mil toneladas, ficando atrás apenas da Argentina, que produz em torno de 1 milhão de toneladas anualmente.

Aproximadamente 80% da produção Argentina é destinada à exportação, enquanto no Brasil esse percentual gira em torno de 30%. O estado de São Paulo concentra mais de 90% da produção nacional de amendoim.

Como prevenir?

No atual estágio, as estratégias que poderiam ser adotadas para mitigar o risco de introdução são:

- usar sempre sementes certificadas, evitar “salvar” suas próprias sementes;

-evitar sementes importadas da Argentina;
no caso de sementes oriundas da Argentina, exigir CFO que ateste que o lote importado encontra-se livre do patógeno;

- fazer sempre o tratamento de sementes com fungicidas utilizando os produtos registrados, nas doses corretas e de preferência utilizar sementes com TSI (tratamento industrial de sementes). É importante salientar que o tratamento de sementes não irá proteger a planta de infecção no campo, mas sim mitigar o risco de introduzir o patógeno em novas áreas. Isso porque a infecção normalmente ocorre na emissão do ginóforo ou esporão (estrutura alongada e pontiaguda que surge após a fecundação da flor) até que ele penetre no solo para formar a vagem do amendoim. Nesse caso, o tratamento de sementes já perdeu seu efeito. (Da Embrapa Algodão)

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2019 Norte Agropecuário