Criada em 17/09/2019 às 17h09 | Meio Ambiente

“Ninguém aplica nenhum defensivo agrícola sem orientação”, diz vice da Aprosoja-TO em audiência na Assembleia Legislativa

Ele defendeu o uso correto de defensivos agrícolas nas lavouras do Estado e destacou o desenvolvimento que o agronegócio promove nas regiões. “Onde a soja e o milho entraram, o índice de desenvolvimento humano aumentou muito”, afirmou, durante a reunião em Palmas (TO).

Imagem
Uso de agrotóxicos no Tocantins foi debatido na Assembleia Legislativa do Tocantins (AL-TO) nesta terça-feira, 17, em Audiência Pública na reunião da Comissão de Minas e Energia (fotos: Dicom/AL)

Em audiência pública na reunião da Comissão de Minas e Energia da Assembleia Legislativa do Tocantins nesta terça-feira, dia 17, o vice-presidente da Aprosoja (Associação dos Produtores de Soja e Milho do Tocantins), Dari Fronza, defendeu o uso correto de defensivos agrícolas nas lavouras do Estado. “Ninguém aplica nenhum defensivo agrícola sem orientação”, disse ao destacar ainda o desenvolvimento que o agronegócio promove nas regiões. “Aonde a soja e o milho entraram, o índice de desenvolvimento humano aumentou muito. Acredito que apenas Silvanópolis, região a qual pertenço, tenha 200 empregos diretos”, comentou o produtor rural.

O encontro foi solicitado pelo deputado estadual Zé Roberto Lula (PT) e levou à Casa de Leis representantes da Aprossoja, Agência de Defesa Agropecuária do Tocantins (Adapec), Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, Ministério Público, Federação dos Trabalhadores em Agricultura no Estado do Tocantins (Fetaet), deputados e diversos produtores rurais do Tocantins.

VEJA TAMBÉM 

Deputado propõe limitar área de produção de soja e proibir uso de avião para pulverizar lavouras no Estado do Tocantins

Clique aqui e leia o que foi publicado no #NorteAgroTO sobre o deputado Zé Roberto

CONFIRA A ÍNTEGRA DO PROJETO DE LEI 248 

VEJA A CÓPIA DO PROJETO DE LEI 249 

TENHA ACESSO AO CONTEÚDO DO PROJETO DE LEI 250 

O deputado Zé Roberto, que autor de cinco Projetos de Lei que visam regulamentar o uso dos venenos no Estado, apresentou os números do uso do agrotóxico no Brasil e falou sobre os riscos, que o uso indiscriminado dos venenos pode causar para a saúde humana. “Temos os projetos tramitando na Casa e por isso é preciso trazer o debate para que os deputados possam decidir”, destacou.

Ele defendeu “um debate franco e aberto” sobre os impactos do agrotóxico na vida das pessoas. Zé Roberto falou das doenças que podem ser causadas como cegueira, câncer e até a morte. “Nas nossas andanças pelo estado vemos o sofrimento da população. Aulas sendo canceladas por conta do agrotóxico, agricultores adoecendo e por isso trouxemos o debate. Esta é a segunda audiência que realizamos e este é o espaço democrático para debater e definir o melhor caminho para a nossa legislação quanto ao uso do agrotóxico”, informou o deputado.

Zé Roberto ressaltou também a regulamentação que acontece em outros locais. “O Ceará já tem uma regulamentação que proíbe a pulverização aérea, evitando assim a contaminação de outras culturas, do solo, das águas e das pessoas”, disse o deputado, que citou ainda a experiência da União Europeia, Colômbia e Canadá, que também já proibiram o uso de avião para pulverizar o veneno e apresentam bons resultados na defesa da saúde humana.

RELEVÂNCIA DO TEMA

Presente na audiência, o procurador da República Álvaro Manzano, falou da importância de realizar a discussão em um momento, em que ele avaliou como de extrema relevância. “Vemos uma profusão de novos compostos e novos princípios ativos e que são proibidos em vários lugares do mundo e aqui temos permitido”, alertou Manzano ao lembrar que o “problema do agrotóxico não é a consequência imediata, mas o que vem acumulando ao longo dos anos na saúde das pessoas”.

Já o gerente de Fiscalização Ambiental da Adapec, Carlos Cézar, lembrou que o Tocantins tem uma lei que regulamenta o uso dos agrotóxicos, porém está “ultrapassada e precisa de um novo regulamento”. Carlos falou aos deputados sobre a importância de investir na fiscalização, que é responsabilidade da Agência, e colocou a Adapec à disposição da Casa de Leis para auxílio no que diz respeito à fiscalização.

PROJETOS DE LEI

O deputado Zé Roberto apresentou cinco Projetos de Lei, que tramitam atualmente na Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ) da Assembleia Legislativa. O primeiro PL institui vedação à concessão de benefício fiscal de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) a agrotóxicos e afins por prazo determinado de 20 anos.

Outro PL apresentado dispõe sobre a proibição do uso de aeronaves na dispersão de agrotóxicos sobre as lavouras e a população, determinando inclusive, aplicação de multa para os desobedientes.

O uso da monocultura também está em debate com o terceiro PL apresentado por Zé Roberto, que delimita o uso da monocultura próximo de cidades, hospitais, ou seja, próximo dos centros urbanos. Outro Projeto do deputado petista dispõe sobre a fiscalização e controle do uso de agrotóxicos e afins no âmbito do Estado do Tocantins, estabelecendo o critério de comunicação à Adapec-TO, para evitar o uso indiscriminado de venenos.

O último PL de Zé Roberto prevê a instituição da Política Estadual de Redução de Agrotóxicos (Peara), que visa a conscientização da sociedade acerca do uso dos venenos nas lavouras e assim buscar a redução desse uso melhorando, assim, a qualidade de vida da população. (Com informações da Comunicação do deputado estadual Zé Roberto)

SAIBA MAIS 

CONFIRA A ÍNTEGRA DO PROJETO DE LEI 248 

VEJA A CÓPIA DO PROJETO DE LEI 249 

TENHA ACESSO AO CONTEÚDO DO PROJETO DE LEI 250 

Em manifesto, Aprosoja Brasil e de 16 Estados refutam tese de ONGs e garantem produção sem prejudicar cerrado no Matopiba

“Quarenta por cento da área do Matopiba é destinada a proteção e preservação da vegetação nativa”, diz supervisor da Embrapa

Produtores preservam mais de 219 milhões de hectares de suas propriedades, o que corresponde a R$ 2,4 trilhões em área

Dirigentes da Aprosoja mostram dados oficiais que comprovam que produtores protegem meio ambiente no Matopiba

Seminário em Palmas aborda aspectos socioeconômicos e ambientais da produção agrícola no cerrado e no Matopiba

“Se quer conhecer vegetação nativa no Brasil não vá a parques, visite uma propriedade rural, são eles que estão protegendo”

CONFIRMA MAIS NOTÍCIAS SOBRE A APROSOJA

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2019 Norte Agropecuário