Criada em 03/01/2018 às 08h35 | Grãos

Com produção recorde, valores do milho fecham ano em queda; preço da soja também recuou, apontam levantamentos do Cepea

No balanço do ano, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa caiu 12,2%, com a saca de 60 quilos do milho a R$ 33,53 no dia 26. Na média das regiões acompanhas pelo Cepea, a queda nas cotações foi de 21,1% no mercado balcão e de 18,9% no de lotes.

Imagem

Os preços de milho recuaram com força no mercado doméstico, devido à produção recorde do cereal no Brasil e no mundo, segundo pesquisas do Cepea. A produção total de milho na safra 2016/17 foi de 97,84 milhões de toneladas, a maior da história e 47% superior à temporada anterior, segundo a Conab. No balanço do ano, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa caiu 12,2%, com a saca de 60 quilos a R$ 33,53 no dia 26. Na média das regiões acompanhas pelo Cepea, a queda nas cotações foi de 21,1% no mercado balcão e de 18,9% no de lotes.

Com a maior oferta e expressivas quedas nas cotações, o valor pago ao produtor ficou abaixo do mínimo governamental em algumas regiões. Nesse ambiente, o governo federal interveio, no intuito de sustentar o preço ao produtor e favorecer o escoamento da produção, principalmente do milho do Centro-Oeste.

A SOJA

Com a maior área cultivada com soja na temporada 2017 no Brasil e nos Estados Unidos, os preços da oleaginosa recuaram no mercado doméstico em 2017, de acordo com pesquisas do Cepea. Além da maior oferta, os valores nacionais foram pressionados pela desvalorização do dólar frente ao Real, que reduz o recebimento do produtor.

O Indicador da soja ESALQ/BM&FBovespa Paranaguá teve média de R$ 71,29/saca de 60 kg em 2017 (até o dia 27 de dezembro), 13,2% abaixo da de 2016, em termos reais (IGP-DI de novembro/17).

Quanto ao Indicador CEPEA/ESALQ Paraná, a baixa foi de 15,1% no mesmo comparativo, com média a R$ 66,09/sc de 60 kg em 2017. A temporada 2016/17 brasileira somou 114 milhões de toneladas de soja, um recorde e 18% acima do produzido na safra 2015/16, conforme dados do USDA e da Conab. (Do Cepea/Esalq)

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2018 Norte Agropecuário