Criada em 29/08/2017 às 17h45 | Pecuária

Dois meses depois do auge da crise do preço do boi, projeto da redução do ICMS começa a tramitar na Assembleia Legislativa

Matéria foi lida em plenário nesta terça-feira. Com isso, oficialmente, já tramita na Casa. Agora, vai para as comissões para obtenção de pareceres e retornará ao plenário para votação.

Imagem
O Norte Agropecuário apurou que a tendência é de que a matéria seja aprovada, para satisfação dos pecuaristas, mas descontentamento dos representantes dos frigoríficos (foto: Agricultura.gov.br/Divulgação)

Dois meses depois do auge da crise do preço da arroba do boi, uma das principais reivindicações de pecuaristas do Tocantins começa, enfim, a tramitar na Assembleia Legislativa.

O projeto de lei número 34/2017 que propõe a redução da alíquota do ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) do gado para venda a outros Estados foi lido em plenário nesta terça-feira, 29.

Com isso, oficialmente, já tramita na Casa. Agora, a matéria vai para as comissões para obtenção de pareceres e retornará ao plenário para votação.

LEIA TAMBÉM

Sindicarnes apresenta dados da redução do abate e pede diálogo aprofundado da matéria 

Donos de frigoríficos vão à Assembleia Legislativa discutir projeto que reduz ICMS do gado

REDUÇÃO DO ICMS DO GADO DEVE LEVAR 30 DIAS PARA VIRAR LEI

Cadeia da pecuária pagou R$ 15 milhões de ICMS neste ano ao Estado

Governador envia à Assembleia proposta de redução do ICMS do gado

O Norte Agropecuário apurou que a tendência é de que a matéria será aprovada, para satisfação dos pecuaristas, mas descontentamento dos representantes dos frigoríficos. A proposta de autoria do governo do Estado e enviada pelo governador à Assembleia no último dia 9 reduz de 7% para 4% a alíquota do imposto até 31 de janeiro do próximo ano.

A REIVINDICAÇÃO

A construção da proposta de lei começou em junho, na região norte do Tocantins, com a mobilização de pecuaristas de Araguaína. O chamado movimento “Levanta a Cabeça” propôs, inicialmente, o chamado “abate zero”, ou seja, orientação dada aos criadores para não vender gado aos frigoríficos com preço abaixo dos R$ 130 a arroba do boi. O movimento foi criado em meio a desvalorização de 11% do preço da arroba do boi para o produtor num prazo de um mês.

A crise foi ocasionada, por entre outros motivos, reflexos negativos da operação Carne Fraca, e da delação dos donos do grupo JBS, uma das maiores produtoras de carne do mundo, que abalou a política brasileira.
Após a mobilização, que além de Araguaína ganhou as demais regiões do Tocantins, o governo do Estado se comprometeu com os pecuaristas a atender a principal reivindicação, que era a redução do ICMS. E a garantia de Marcelo Miranda foi oficializada no dia 5 de julho, em meio a mais uma reunião dos pecuaristas em Araguaína. Durante a reunião, o secretário da Fazenda do Estado, Paulo Antenor, comunicou por telefone o fato aos representantes do sindicato.

Os pecuaristas reivindicavam redução para 3%, mas a alíquota em 4% satisfaz a classe. A medida já era aguardada para julho, mas não foi possível por causa do recesso parlamentar.

JUSTIFICATIVA DO GOVERNADOR

Ao enviar o projeto à Assembleia, o governador justificou que a medida foi “destinada a fortalecer a correspondente atividade primária durante a sazonal oscilação do valor do produto, agravada em função da crise econômica sentida em todo o país, entendendo-se imperioso, portanto, conferir aos pecuaristas deste Estado melhores condições de atuação mercadológica". “Objetiva estabelecer um crédito presumido de 8% nas operações interestaduais de gado vivo praticadas por produtor rural deste Estado, de modo que a carga tributária efetiva seja de 4% até 31 de janeiro de 2018, ocasião em que voltará a viger o crédito presumido de 5%, atualmente praticado”, afirmou o governador, em seu comunicado oficial ao Parlamento.

O projeto, na prática, dá nova redação ao inciso II do artigo 2º da Lei 1.173, de 2 de agosto de 200, que autoriza a redução da base de cálculo do Imposto Sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e Sobre Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS, nas operações que especifica.

Já a nova redação prevê, conforme a proposta, o seguinte conteúdo: “II - 8% do valor da operação, até 31 de janeiro de 2018, e 5% do valor da operação, a partir de 1o de fevereiro de 2018, nas saídas interestaduais de gado vivo (bovino, bufalino e suíno), praticadas por produtor deste Estado;" (NR).

SAIBA MAIS SOBRE O TEMA: 

Membro do "Levanta a Cabeça" cobra política governamental de apoio ao agronegócio

Rodrigo Guerra: “Decisão de baixar ICMS do gado resolve problema de mercado em curto prazo”

Produtores esperam do Estado menos burocracia, infraestrutura, carga tributária justa e atração de indústrias

Estado frustra pecuaristas ao não enviar à AL proposta de redução do ICMS do gado

Pecuaristas discutem nesta quarta plano de ação e mobilização sobre reivindicações 

Criadores de gado seguram boi no pasto e querem redução de alíquota do ICMS

Governo do Estado afirma que redução do ICMS requer estudo de impactos

Após queda no preço do boi, pecuaristas discutem crise do setor no Tocantins

Sindicarnes diz estar atento a decisões e quer discutir crise da pecuária

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2017 Norte Agropecuário