Criada em 08/10/2018 às 15h27 | Agricultura

Agricultores de Estado que integra o Matopiba vão criar cooperativa para fomentar produção de alho

Produtores que fazem parte de associação estão, há três anos, em um projeto de revitalização da cultura do alho em parceria com a Embrapa Hortaliças, o Sebrae Piauí, Sebrae Nacional e Senar Piauí. Entidade ficará na região de Picos, que foi historicamente produtora de alho.

Imagem
Cooperativa Piauiense dos Produtores de Alho será criada este mês (Foto: Kadijah Suleiman\Embrapa\Divulgação)

Kadijah Suleiman 
DO RIO DE JANEIRO (RJ)

Representantes da Associação Piauiense dos Produtores de Alho participaram de um treinamento na Embrapa Agroindústria de Alimentos (Rio de Janeiro), de 2 a 4 de outubro, no qual foram orientados sobre técnicas de processamento para a produção de alho em conserva, tempero de alho e sal e alho desidratado. “No dia 23 deste mês vamos criar a Cooperativa Piauiense dos Produtores de Alho, com 15 municípios inseridos, visando à comercialização e criação de uma agroindústria de beneficiamento, onde poderemos fazer a indústria de temperos também”, diz José Dantas, da Associação.

Segundo ele, morador do município de Picos, a 310 km de Teresina, os produtores que fazem parte da Associação estão, há três anos, em um projeto de revitalização da cultura do alho em parceria com a Embrapa Hortaliças, o Sebrae Piauí, Sebrae Nacional e Senar Piauí. “A Cooperativa já tem 22 sócios cadastrados com a tendência de subir para 75 sócios”, acrescenta.

O especialista e ciência e tecnologia de alimentos do Setor de Transferência de Tecnologia da Embrapa, Roberto Machado, lembra que a perda do alho nos municípios da região da Associação é de 40%, por estar fora de padrão de exigência do mercado. “Uma agroindústria é um projeto que contemplaria a diversificação de produtos e o aproveitamento desse excesso”. Além dele, conduziram o treinamento o técnico Sergio Pontes e o pesquisador Félix Cornejo.

A PRODUÇÃO

A região de Picos foi historicamente produtora de alho, em regiões ribeirinhas, até o ano de 1980, quando a construção da barragem de Bocaina prejudicou a atividade. Em 2015, foi iniciado o projeto de revitalização. No primeiro ano, a produção foi de quase dez toneladas; no segundo ano quase 10,5 toneladas e, na última safra, em 2018, alcançou 16 toneladas. “Ainda está bem abaixo do potencial, mas antes do projeto de revitalização, Picos produzia, em média, apenas 3,8 a 4,5 toneladas por hectare, segundo dados do IBGE”, informa Dantas. (Da Embrapa Agroindústria de Alimentos)

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2018 Norte Agropecuário