Criada em 04/12/2017 às 10h10 | Grãos

Apesar de recentes altas principalmente no mês de novembro, preços da soja são os menores desde 2011, aponta Cepea/Esalq

Cenário se deve ao maior excedente mundial e à queda do dólar frente ao Real, que, embora esteja nos maiores níveis de 2017, é a menor média para um mês de novembro, desde 2014.

Imagem
O clima vem favorecendo os trabalhos de campo e também o desenvolvimento das lavouras já implantadas tanto no Brasil quanto na Argentina, cenário que gera expectativa de oferta elevada (Divulgação FAEP/Arquivo ANPr)

Mesmo com os preços da soja elevados no mês passado frente ao anterior, as médias de novembro/17 dos Indicadores CEPEA/ESALQ Paraná e ESALQ/BM&FBovespa Paranaguá são as menores para esse mês, em termos reais, desde 2011 – valores deflacionados pelo IGP-DI out/17.

Segundo pesquisadores do Cepea, este cenário se deve ao maior excedente mundial e à queda do dólar frente ao Real, que, embora esteja nos maiores níveis de 2017, é a menor média para um mês de novembro, desde 2014. Quanto ao cultivo da soja, está na reta final em muitos estados do Brasil. De acordo com colaboradores do Cepea, o clima vem favorecendo os trabalhos de campo e também o desenvolvimento das lavouras já implantadas tanto no Brasil quanto na Argentina, cenário que gera expectativa de oferta elevada.

MANDIOCA NO BRASIL

A oferta de mandioca aumentou na semana passada, devido à intensificação dos trabalhos de campo na maioria das regiões acompanhadas pelo Cepea. Assim, parte dos mandiocultores intensificou a comercialização na semana. Por outro lado, a demanda industrial esteve enfraquecida, especialmente por parte da indústria de farinha, devido aos atuais custos da mandioca, segundo agentes consultados pelo Cepea. Nesse cenário, o valor médio nominal a prazo para a tonelada de mandioca posta na fecularia foi de R$ 623,91 (R$ 1,0851 por grama de amido na balança hidrostática de 5 kg) entre 27 de novembro e 1º de dezembro, queda de 7,6% em comparação com a média anterior.

BAIXOS PATAMARES

As cotações da melancia fecharam em baixa novamente na Ceagesp no final de novembro. Segundo colaboradores do Hortifruti/Cepea, a descapitalização dos consumidores no período, a qualidade variada das frutas e o clima mais ameno na capital paulista pressionaram levemente as cotações. O preço médio da melancia graúda (>12 kg) foi de R$ 1,12/kg na semana passada, recuo de 3% frente à anterior. Nos próximos dias, as cotações podem se recuperar, devido à finalização da safra em Marília (SP) e ao início do mês; no entanto, a previsão de chuvas nos próximos dias em São Paulo (segundo a Climatempo) preocupa atacadistas, visto que pode continuar limitando a demanda. (Do Cepea/Esalq)

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2017 Norte Agropecuário