Criada em 12/04/2018 às 16h07 | Agronegócio

“Nessa crise econômica, é a força da agricultura que segura o país em pé”, afirma Xico Graziano

“”Em 2017, no ano todo, o superavit agrícola trouxe US$ 81,9 bilhões do exterior. Sem as divisas geradas pelo agro, a indústria e o comércio estariam capengas, mais do que se encontram”, afirma o ex-titular das pastas de Meio Ambiente e de Agricultura em São Paulo e que presidiu o Incra.

Imagem

Em artigo publicado nesta quarta-feira, dia 11, no portal de notícias Poder 360, de Brasília (DF), o engenheiro agrônomo Xico Graziano, 65 anos, aborda, entre outros aspectos, a representatividade do agronegócio na balança comercial brasileira em relação a outros setores da economia.

“É o campo que paga a conta das importações urbanas”, cravou o doutor em Administração, ex-secretário de Agricultura e de Meio Ambiente de São Paulo e que atualmente é professor de MBA da FGV e sócio-diretor da e-PoliticsGraziano.

”Em 2017, no ano todo, o superavit agrícola trouxe US$ 81,9 bilhões do exterior. Sem as divisas geradas pelo agro, a indústria e o comércio estariam capengas, mais do que se encontram. Nessa crise econômica, é a força da agricultura que segura o país em pé. No interior, então, nem se fala”, analisa Graziano, que também foi deputado federal pelo PSDB, presidiu o Incra e foi chefe do Gabinete Pessoal do Presidente Fernando Henrique Cardoso em 1995.

Para Graziano, o modelo que impera no agro hoje superou o rótulo de “latifundiários” que era dado aos agropecuaristas no passado. “A realidade mostra que o modelo capitalista e tecnológico que impera no agro superou o clássico dilema, típico da antiga economia agrário-exportadora, batizada de “latifundiária”, entre exportar ou abastecer o povo. Hoje atende-se, simultaneamente, aos dois mercados, global e nacional. Um puxa o outro”, disse.

Clique aqui e leia na íntegra o artigo de Graziano.

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2018 Norte Agropecuário