Criada em 08/06/2018 às 15h54 | Agronegócio

De olho no mercado mexicano, CNA pede esforço do governo federal para negociar exportação da carne suína brasileira

O México é o terceiro maior importador de carne suína, e após ter fechado o mercado para a carne suína dos Estados Unidos, a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária acredita que o Brasil não deve deixar essa oportunidade de negócio passar.

Imagem
Em 2017, o México importou 1,1 milhão de toneladas de carne suína, sendo 638 mil toneladas vindas dos EUA. (Foto Divulgação Web)

Diante do fechamento do mercado mexicano à carne suína dos Estados Unidos, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) encaminhou na quinta (7), aos Ministérios da Agricultura e de Relações Exteriores, um ofício solicitando o esforço do governo para negociar a exportação da carne suína brasileira para o México.

De acordo com o documento, assinado pelo presidente da CNA, João Martins, o Brasil vem negociando a abertura desse mercado há anos e esse seria o momento para a conclusão dos entendimentos. “Já chegamos bem perto no ano passado e não podemos deixar essa oportunidade passar”.

O México é o 3º maior importador mundial de carne suína, sendo os Estados Unidos o maior exportador para esse mercado. Com a barreira tarifária de 20% ao suíno norte-americano, a CNA entende que o Brasil tem uma excelente oportunidade de ampliar a balança comercial desse setor.

“O México é um país potencial, já que 44% do seu consumo de carne suína depende do mercado internacional”, explicou o assessor técnico da Comissão Nacional de Aves e Suínos da CNA, Victor Ayres.

Segundo dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), o México é o 9º maior produtor mundial, com produção de 1,43 milhões de toneladas ao ano. Em 2017, importou 1,1 milhão de toneladas, sendo 638 mil toneladas vindas dos EUA.

“É um país em que a produção doméstica vem crescendo em torno de 3,5% ao ano, enquanto as importações aumentam cerca de 6%”, disse o assessor da CNA. (Da Assessoria de Comunicação CNA/SENAR)

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2018 Norte Agropecuário