Criada em 12/07/2018 às 10h47 | Pecuária

Defesa Agropecuária do Tocantins implanta programa estadual com ações voltadas à prevenção da doença da vaca louca

Doença é transmissível e neurodegenerativa fatal em bovinos e que pode ser transmitida ao ser humano por meio do consumo de carne infectada. Transmissão está associada ao uso de proteínas de origem animal.

Imagem
Objetivos são prevenir a ocorrência de casos da doença e estabelecer normas para aprimorar a situação sanitária do rebanho de bovinos no Estado (foto: Lenito Abreu/AdapecTO/Divulgação)

Welcton de Oliveira
DE PALMAS (TO)

Com os objetivos de prevenir a ocorrência de casos de Encefalopatias Espongiformes Transmissíveis (EET) ou doença da vaca louca e estabelecer normas para aprimorar a situação sanitária do rebanho de bovinos no Tocantins, a Agência de Defesa Agropecuária (Adapec) instituiu, no Estado, por meio da Portaria n° 210/2018, a implantação do Programa Estadual de Prevenção e Vigilância da Encefalopatia Espongiforme Bovina (PEEEB), que desenvolverá ações de prevenção à doença.

Entre os objetivos do programa estão: evitar a entrada do agente da Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB) no Estado do Tocantins; aplicar medidas de mitigação de risco, no intuito de evitar eventual reciclagem e difusão do agente da EEB no Estado; manter um sistema de vigilância para detecção de animais infectados por encefalopatias espongiformes transmissíveis. As Unidades Veterinárias Locais da Adapec ficam responsáveis por executar a ações do PEEEB e enviar informações e dados sobre suas atividades à coordenação do programa, que responsável por estabelecer estratégias para execução das ações de prevenção e vigilância da EEB, no âmbito estadual.

O presidente da Adapec, Alberto Mendes da Rocha, disse que a implantação do programa é um passo a mais que o Tocantins está dando na defesa sanitária do seu rebanho. “O Ministério da Agricultura já tinha feito esta orientação à Adapec e estas questões relacionadas às Encefalopatias Espongiformes Transmissíveis eram tratadas junto com o programa da raiva dos herbívoros, porém, agora, implantamos um programa específico, para melhorar a política de vigilância e defesa sanitária, relacionada a esta doença”, relatou.

Segundo o diretor de Defesa, Inspeção e Sanidade Animal da Adapec, Francisco Ramos, a Doença da Vaca Louca é uma encefalopatia espongiforme transmissível e neurodegenerativa fatal em bovinos e que pode ser transmitida ao ser humano por meio do consumo de carne infectada. “Ela é uma doença que não possui tratamento ou vacina, por isso, a melhor forma de prevenção é tomar os devidos cuidados com a alimentação dos animais, principalmente aqueles em confinamento”, explicou.

A TRANSMISSÃO

A principal forma de transmissão da EEB está associada ao uso de proteínas de origem animal, como por exemplo, farinha de carne e ossos na alimentação dos ruminantes. No Brasil, é proibido o uso de proteína animal na fabricação de ração para bovinos.

OS SINTOMAS

Os animais acometidos pela doença podem apresentar comportamento agressivo, nervosismo, dificuldade de coordenação, diminuição da produção de leite e perda de peso. A doença é fatal e o animal pode morrer entre duas semanas e seis meses após os sintomas.

O STATUS

O Brasil possui status sanitário de risco insignificante para EEB, desde 2013, segundo a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). (Da Adapec)

Tags:

Comentários


Deixe um comentário

Redes Sociais
2018 Norte Agropecuário